A maracutaia do concurso Público

Que a luta para se conquistar o concurso público foi dura ninguém discorda, porém mais dura será a batalha judicial que o SindSaúde/PE começou a travar para suspender o edital para que sejam feitas as correções

 ficou acordado em mesa de negociação que o concurso seria discutido com o SindSaúde/PE e teria seu edital publicado em agosto. Ocorre que a turma que o ex- secretário de saúde deixou, fez tudo na calada da noite, e, como sempre, as falcatruas imperaram. Vejam o que fizeram:
– O total de vagas deveria corresponder aos contratos e extras hoje praticados nos hospitais(cerca de 6 mil). Resultado, só disponibilizaram 30% disso.
– Num arrumadinho com o conselho de enfermagem e sindicato dos enfermeiros(tem gente dentro da secretária pra isso. o pessoal da SES falou do contato), disponibilizaram 400 vagas para enfermeiro(a) e, para  técnico em enfermagem, apenas 1085(mil e oitenta e cinco). Aqui a relação é 1 pra 3. Percebeu a malandragem. tentaram enrolar dividindo a enfermagem em uteísta, emergência e etc, tentando ser igual aos médicos(recalque). Os hospitais precisam de quem carrega o hospital nas costas e esses são os técnicos em enfermagem. Estamos exigindo ou que aumente o número de técnicos ou reduza 200 enfermeiras e aumente 400 técnicos, já que o custo ficará o mesmo para o governo, visto o salário de uma enfermeira ser o dobro de um técnico no edital. Os dois salários são uma titica.
– O mais grave, não disponibilizaram vagas para as O. S para técnicos em enfermagem. Palmares, Ouricuri, Petrolina e João Murilo. A igreja e o IMIP tomam conta desses hospitais e querem o pessoal se afastando pela pressão e se aposentando para privatizar de vez.
– Veja um exemplo de canalhice. Disponibilizaram apenas duas vagas pra técnico em afogados da ingazeira, quando pelo menos 25 só pra o Emília Câmara é que atenderia a necessidade. basta ver o número de extras.
– Com o objetivo de manter o toma lá da cá com os deputados, para as vagas de emprego, via terceirizada, não abriram vaga para o administrativo. Departamento de pessoal, arquivo, ambulatório etc, tudo deveria ser estatutário.
– Com o interesse de desativar os laboratórios, resumiram ao mínimo as vagas para esses setores, bem como para farmacêutico e biomédico. Em Ouricuri a igreja já desativou o laboratório de análise e é essa a ideia do cachorrão que o ex-governador colocou como secretário. e que continua ´comandando a distância.
– Só depois de 7 anos que o também nas mãos dogoven o MP decidiu acompanhar. para o sindicato o que interessa é suspender para passar o vassourão e limpar tudo.