72 HORAS DE PARALISAÇÃO EM BELÉM DE SÃO FRANCISCO.

No dia 4 deste mês foi realizada uma paralisação de advertência de 24 horas, como o prefeito não acenou nenhuma forma de diálogo, fez ouvido de mercador e não atendeu as reivindicações dos trabalhadores, no dia 11 de fevereiro o Sindsaúde encaminhou o que foi definido em assembleia e junto com os trabalhadores de Belém de São Francisco do hospital Dr. Jose Alventino Lima, realizou a 2° paralisação dessa vez de 72 horas. Durante a paralisação os trabalhadores cumpriram com seus deveres, a população em nenhum momento foi prejudicada. O prefeito é que tentou prejudicar o movimento paredista, agindo com irresponsabilidade e desiquilíbrio, chegou no hospital rasgou a faixa do sindicato, ameaçou os trabalhadores e ainda chamou a polícia. A polícia veio e concluiu que o movimento era pacífico e por direitos, sendo assim foram embora tranquilamente e ainda concordaram com a paralisação. O movimento paredista continuou, sendo que após o episódio infeliz do prefeito, gravamos um vídeo com o diretor Tiago De Oliveira é enviamos para a TV Grande Rio de Petrolina, que foi transmitido para todas as regiões e adjacências do interior. Os diretores do Sindsaúde Haniel Nunes e Tiago, juntamente com as trabalhadoras Jeane Rodrigues, Rubia Cristiane Alves DE Andrade e Eliane Santos estiveram na rádio Canabrava FM de Belém de São Francisco, onde durante dois dias acompanharam a entrevista de Tiago pelo radialista Gilmar Dantas, na oportunidade ele fez um relato das razões do movimento paredista e do descaso da prefeitura com os profissionais da saúde. Tiago e Haniel também estiveram no Fórum de Belém, procuraram saber como anda o processo que o sindicato havia dado entrada em favor dos trabalhadores, o juiz disse que o processo havia sido concluso e que teríamos que aguardar, devido o número de processos que estão na fila de espera. Ontem pela manhã foi realizada uma Assembléia no hospital, os trabalhadores decidiram dá uma trégua até o dia 22, onde também em assembléia será definido os rumos do movimento paredista. Foi a primeira vez na História de Belém de São Francisco que os profissionais da saúde cruzaram os braços e fizeram uma paralisação. Graças a incompetência e irresponsabilidade de um prefeito que não cumpre com os direitos dos trabalhadores. Graças aos trabalhadores que abriram os olhos, com coragem despertaram pra luta e provaram ao povo Belemita que o tempo do coronelismo acabou. Graças ao Sindsaúde que é um sindicato de luta, classista e que sempre estará na resistência em defesa dos direitos dos trabalhadores. Tivemos também a colaboração e apoio das diretoras do sindicato Rejane Santana e Neide Calado. Para a presidenta Mirian Soares, tudo isso poderia ser evitado se o prefeito fosse uma pessoa sensata, responsável e cumprisse com seus deveres como gestor do município, como ele não vem cumprindo, a partir de agora quem vai dá as cartas são os trabalhadores junto com o sindicato. A luta continua a saúde de Belém não será mais a mesma. A Resistência e o Sindicato Somos todos nós. Pense nisso….

Haniel Nunes – Secretaria de Imprensa e Comunicação

 

Este slideshow necessita de JavaScript.